Coluna

– Jornalismo com opinião

<

4 notícias falsas que tiveram envolvimento do MBL

Publicado por: em 26/07/18 4:38 PM

O MBL tem reclamado de censura contra a direita e até chamado o Facebook de “esquerdista” depois que foi retirado do ar contas que espalhavam fakes e eram ligadas ao movimento, mas para provar que não é uma perseguição contra a direita, seguem 4 notícias falsas que o Movimento Brasil Livre já publicou em sua página ou teve envolvimento.

1)  O MBL publicou afirmações falsas da desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) Marília Castro Neves em sua página no Facebook, com o título “Desembargadora quebra narrativa do PSOL e diz que Marielle se envolvia com bandidos e é ‘cadáver comum'”. A acusação foi publicada originalmente pelo Ceticismo Político e replicada pelo MBL, que apagou o post depois de atingir 42 mil engajamentos na rede social.

Leia também: Coordenador do MBL foi flagrado com Neonazistas na Avenida Paulista!

2)  Arthur do Val, integrante do MBL, publicou em janeiro de 2018 em seu canal do YouTube MamãeFalei cenas de um grupo de pessoas tentando invadir um prédio. Disse que eram sindicalistas tentando invadir um prédio público no Rio Grande do Norte em protesto contra a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso tríplex. O vídeo foi compartilhado por Kim Kataguiri e chegou a ter quase 500 mil visualizações. Tratava-se, na verdade, de um protesto de funcionários públicos do Rio Grande do Norte contra privatizações e demissão de servidores. Após a revelação de que a notícia era falsa, o MBL retirou o vídeo do ar.

3)  O MBL junto com outros movimentos de direita, publicaram um dossiê expondo o perfil de jornalistas ligados às agências de checagem dos fatos que estabeleceram a parceria com o Facebook. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) publicou uma nota em defesa das agências de fact checking, informando que “perfis pessoais de colaboradores dos veículos​ em redes sociais ​​têm sido vasculhados​ e ​expostos​ em montagens, como supostas evidências de que as agências de checagem estariam a serviço de uma ideologia”. De acordo com a nota, “em alguns casos, fotos de cônjuges e pessoas próximas aos profissionais também foram disseminadas junto a afirmações falsas e ofensivas”.

Confira a nota na íntegra clicando aqui.

Leia também: MBL: Quando problemas pessoais se tornam militância politica

4) O MBL também costuma postar notícias que distorcem a realidade, recentemente compartilharam uma notícia com o título “Após reforma trabalhista, empresas contrataram, sindicatos demitiram”. Mas em 2018 o número de desempregados no Brasil já passou de 13 milhões, ou seja, as empresas não estão contratando.

Franciele Garcia
Contribui com A Coluna na redação jornalística.
banner com links