Coluna

– Jornalismo com opinião

<

ANÁLISE | Judiciário brasileiro em guerra contra o trabalhador

Publicado por: em 17/05/18 1:36 PM

 

 

Vocês não acham estranho as atitudes da justiça em relação ao povo?

Veja bem, casos explícitos de violência policial e outros descalabros, estão passando impunes com total conivência e até apoio do poder judiciário desse país. Seguem alguns casos.

Um povo desprotegido deve chamar o batman?

O caso do Edvaldo que tomou um tiro na perna em Pernambuco e morreu 25 dias depois no hospital, nenhuma punição aos policiais.

O caso do menino que foi morto a golpe de enxadas em São Paulo anos atrás, nenhuma punição aos policiais.

O caso da Maria Eduarda que foi morta dentro da escola  que do lado de fora teve 2 traficantes executados caídos ao chão a tiros em plena rua diante das câmeras, onde o juiz ainda disse que mandou soltar porque ouviu ainda voz das ruas.

Rasgando o texto da lei e dando mais estímulo à que a polícia mate mais, atitude de criminoso.

Temos também o caso do Matheus que estava até esses dias lutando pela vida no hospital depois de ser agredido covardemente por um policial, o mesmo bandido está trabalhando normalmente.

Agora também temos o caso dos refugiados detidos pela policia militar após serem agredidos por militantes da extrema-direita. Estão tentando acusa-los de terrorismo.

Além disso temos os recorrentes casos de violência em manifestações, cada dia os governos reprimem mais as manifestações contrárias aos seus interesses, direito de manifestação garantido na constituição de 88, e a justiça não faz nada contra esses abusos de autoridade.

Defesa dos grandes

A justiça soltou Adriana Anselmo, a justiça soltou Eike, a justiça soltou o Bruno e depois o prendeu de novo, a justiça condenou o Rafael Braga, a justiça está negando indenizações a pessoas que sofrem danos em ações policiais como o cara que perdeu o olho devido a um tiro de bala de borracha da polícia.

O fundador da GOL Linhas Aéreas, Nenê Constantino, foi condenado a 16 anos e seis meses de prisão pelos crimes de homicídio qualificado e corrupção de testemunha. Ele é acusado de encomendar a morte do líder comunitário Márcio Brito, em 2001, porém ainda corre o risco de ficar solto já que se encontra velho demais para pagar por seus crimes contra a classe trabalhadora.

A mesma justiça absolveu Thor Batista pelo assassinato de um ciclista enquanto dirigia a 135 Km/h, absolveu também Ivo Pitanguy, empresário que assassinou um operário enquanto dirigia bêbado.

A justiça de hoje foi a mesma que ontem deu suporte para a ditadura militar, absolveu torturadores, acobertou corruptos e libertou assassinos.

Chacinas e grupos de extermínio que acometem a classe trabalhadora seguem muitas vezes sem um julgamento digno, isto quando não demoram seus 20 ou 30 anos para terminar o julgamento.

Agora se você acha isso exagero, fale isso para a empregada doméstica Angélica Aparecida Souza, 19 anos, que recebeu a pena de quatro anos de prisão em regime semi-aberto por ter tentado roubar um pote de manteiga no dia 16 de novembro de 2005, no Jardim Maia, em São Paulo, ou para tantos outros acusados.

Caros leitores, eu cheguei na conclusão de que o poder judiciário declarou guerra contra a classe trabalhadora faz muito tempo. Quero saber se alguém mais pensa como eu.

Cleber Lourenço
Editor-chefe, fundador e colunista desse site que tem como objetivo questionar e denunciar.
Entre em contato: cleber@acoluna.co
Cleber Lourenço on EmailCleber Lourenço on FacebookCleber Lourenço on Twitter
banner com links